terça-feira, 27 de agosto de 2013

1º Campeonato Mundial Aberto de Hapkido da Moo Moo Kwan 2013

No dia 17 de julho de 2013 a delegação do Instituto Brasileiro de Hapkido, com sede em Piracaia, formada por 10 atletas, sendo eles: Mestre Raul Braga Freire, Walter Calza Neto, Romualdo de Almeida, Rafael Brosh de Assis, Lucas Santos Freire, Marcus Vinicius Rolim, Rafael Azevedo, Marcus Gomides, Marcelo Reis e Demetrius Silva, viajou para a Coréia para participar do 1º Campeonato Mundial Aberto de Hapkido da Moo Moo Kwan. Esta foi a maior delegação brasileira a ir para a Coréia até então.
Sendo este o maior Campeonato Mundial de Hapkido da História da Coréia, estavam presentes 16 países com mais de 1.300 atletas inscritos, entre eles: Austrália, Alemanha, Bahrein, Coréia, Chile, Colômbia, Marrocos, Estados Unidos, Tailândia, Peru, México, Irã, Inglaterra, Uganda e Índia . O Brasil, representado pelo IBH, conquistou 17 medalhas, sendo 6 de Ouro e 11 de prata. As medalhas de Ouro foram nas modalidades Salto em Altura, Salto em Distância, Chute de precisão e Combate por categorias de peso. As medalhas de prata foram nas modalidades: Combate por categorias de peso e demonstração de técnicas em grupo.
Na classificação geral do Campeonato, o México ficou em primeiro lugar, o Brasil em segundo e os Estados Unidos em terceiro, resultado este que elevou o nome de nosso país dentro do esporte mundial.
Durante a estada na Coréia, a delegação brasileira participou de treinamentos em 8 escolas de hapkido, convivendo e trocando experiência com atletas coreanos, entre eles, inúmeras crianças. Foi observado que as escolas de ensino médio, fundamental e mesmo universidades da Coréia possuem parcerias com as escolas de Hapkido o que contribui para, além de uma pratica esportiva, o desenvolvimentento psicológico e motor, sempre de forma pedagógica e positiva, melhorando o rendimento e aprendizado dos praticantes.
A recepção pelo povo coreano foi surpreendente fazendo com que a delegação brasileira se sentisse parte de suas famílias. O povo coreano é muito acolhedor e demonstrou ter muito respeito pelo Brasil.
Além de participar do Campeonato, a Delegação Brasileira, juntamente com as delegações do México, Estados Unidos, Marrocos, Tailândia e Austrália, participou de inúmeros eventos ligados a cultura tradicional coreana, com visitas a parques, templos, castelos e museus. Também foram recebidos por autoridades do governo local e grandes empresários que apoiaram a realização do grandioso campeonato.
Para os atletas da delegação, além da importantíssima conquista do vice-campeonato mundial, também foi de grande valia a interação com pessoas de todas as partes do mundo, a troca de experiências, a diversidade cultural e lingüística. Eventos como este trazem para as vidas pessoais dos atletas envolvidos um riquíssimo aprendizado e para o nosso país a gloria de estar entre os melhores do mundo. Vale ressaltar que na qualificação geral, o Brasil ficou em segundo lugar, e obteve 18 medalhas, sendo que tinha somente 10 atletas.

Sobre o Hapkido

O Hapkido é uma arte marcial coreana que tem por objetivo inicial a defesa pessoal,com técnicas de socos, chutes, torções, rolamentos, escapes, esquivas, e, principalmente o desenvolvimento do "Ki" (energia interior) por meio de técnicas de respiração. Além das técnicas de mão livres, o Hapkido também engloba o treinamento com armas tradicionais coreanas como: espadas, bastões. leques, bengalase facas. História No início dos tempos, as artes marciais já eram praticadas não só pelo exercício físico dos monges, mas para que determinados povos lutassem por seus objetivos. Dessa mesma forma, numa época passada, o país que hoje conhecemos por Coreia, era dividido em três reinos: Silla, Koguryo e Paekche. Dentro dos conflitos decorrentes destes três reinos, todos tinham em comum a prática das Artes Marciais. Essas Artes continuaram sendo treinadas e desenvolvidas até os dias de hoje, sofrendo grande influência de países vizinhos como China e Japão. Uma das pessoas que teve grande influência dentro do moderno contexto marcial coreano foi o mestre Yong Sool Choi, nascido em 1904 e falecido em 1986. Choi nasceu na Coreia, na província de Chung Buk e devido ao falecimento dos seus pais, quando ele contava com idade entre oito e nove anos, acabou sendo levado para o Japão em condições controversas. Com essa cirscunstância social delicada, Choi entrou em depressão e passou a vagar pela ruas na situação de mendigo sendo constantemente surrado por outras crianças que também residiam nas ruas. Com pena da situação em que se encontrava Choi, um japonês o adotou. Antes ser mandado para a escola seu nome mudou de Choi para Tatujutu Yoshida. Choi teve muitas dificuldades na escola japonesa porque não tinha fluência na língua nipônica. Este fato favoreceu o pouco interesse pelos estudos e suas constantes brigas com as outras crianças. Foi então que Choi recebeu um convite para pertencer a um centro de estudos marciais das técnicas dos antigos samurais. Choi foi residir com o mestre Sokaku Takeda, nascido em 1860 e falecido em 1943, que era um mestre nas artes marciais originadas dos samurai, cuja técnica marcial era denominada de Daito Ryu Aiki Jitsu. Choi residiu e treinou com o mestre Sokaku Takeda durante 30 anos, somente retornando a sua terra natal, a Coreia, em 1945, voltando a usar o seu nome coreano, Yong Sool Choi, e abandonando por completo o seu nome japonês. Segundo a tradição, durante a sua viagem do Japão para Coreia, Choi perdeu uma parte da sua bagagem, incluindo dinheiro e os certificados comprobatórios dos seus treinamentos com o mestre Sokaku Takeda. Este é um fato polêmico dentro da biografia de Choi, porque muitos historiadores e pesquisadores marciais defendem a hipótese de que ele inventou esta perda dos seus certificados devido ao fato dele nunca ter treinado oficialmente com o mestre Sokaku Takeda. Por conta de sua condição de coreano, Choi seria somente um simples empregado do Mestre Sokaku Takeda, que era um xenófobo, algo considerado normal na posição de mestre marcial tradicional japonês, com descendência dos samurai. Alguns pesquisadores marciais afirmam que Choi realmente treinou com o mestre Sokaku Takeda, mas que nunca recebeu certificação ou qualquer outra titulação oficial, por ser estrangeiro e serviçal coreano num país com princípios tradicionais bastantes rigorosos. O que se sabe com certeza é que Choi não foi para Ching Buk, sua terra natal, mas se dirigiu para outra região da Coreia, a Tae Gu. Sem dinheiro em Tae Gu, Choi começou vendendo pães nas ruas. Depois de um ano de trabalho passou a criar porcos e como tinha pouco dinheiro e precisava alimentar os porcos para os engordar e os vender, Choi acordava sempre muito cedo e ia até a Suh Brewery Company para poder adquirir gratuitamente a comida. Certo dia, em 1947, Bok Sub Suh, que era praticante de arte marcial e Presidente da Suh Brewery Company, observou fascinado da janela do seu escritório como Choi facilmente venceu em uma briga diversos adversários de uma única vez. Curioso Suh conseguiu levar Choi até o seu escritório e lhe perguntou qual era a arte marcial que ele praticava. Choi nada respondeu. Simplesmente Choi solicitou que Suh o segurasse na sua lapela e, de forma simples e objetiva, aplicou-lhe uma técnica que o arremessou facilmente ao chão. Achando ter sido sorte ou coincidência Suh mais uma vez agarrou a lapela de Choi e novamente foi levado até o chão. Após este feito de Choi, Suh pediu para que lhe ensinasse suas técnicas marciais. Choi aceitou a oferta de Suh que incluía como pagamento mais comida grátis e uma quantia em dinheiro. Suh passou a ter aulas com Choi e foi criado o primeiro espaço para ministração de aulas sobre as técnicas marciais do Japão. Choi passou a ser um docente marcial, durante muitos anos ensinou o que aprendera no Japão e passou rapidamente a ter notoriedade. Inicialmente denominou sua técnica marcial de Yoo Sool. Choi acrescentou em seu estilo marcial algumas técnicas de chutes e armas, devido as influências de algumas artes marciais coreanas. Contudo a essência de sua marcialidade vinha do que ele tinha aprendido com o mestre Sokaku Takeda, no Japão, mesmo que Choi tivesse feito algumas adaptações para as realidades marciais existentes naquela época na Coreia. Em 1954, outro acontecimento envolvendo Bok Sub Suk e Choi iria ser mais um marco para história marcial. Suk se envolveu em uma briga para defender o seu pai, Dong Jin Suh, de alguns bandidos. No combate Suk foi vitorioso pois utilizou as técnicas com uso dos pés que aprendera com o Choi. Depois disso Suk sugeriu a Choi alterar o nome da sua arte marcial de Yoo Sool para Yoo Kwon Sool, deixando bem claro que este estilo marcial ensinado por Choi consistia em utilização de técnicas de arremessos e torções com uso de eficientes pontapés. Após a guerra da Coreia, Choi abriu sua própria academia e continuou ensinado seu estilo marcial, e levou alguns dos seus ex-alunos a criarem seus próprios estilos marciais. Outra pessoa importante, Ji Han Jae, nasceu em Angong, na Coreia, e foi um dos discípulos de Choi. Ele iniciou seus treinamentos com Choi em 1949, quando tinha somente 13 anos de idade. Ji Han Jae foi aluno de Choi em tempo integral até o ano de 1956, quando retornou para Angong, sua terra natal. Ao completar 18 anos Ji Han Jae passou a ser aluno de um homem no qual ele se refere como Taoist Lee. Então, segundo Ji Han Jae, o Taoist Lee passou a treiná-lo em vários métodos de meditação, armas marciais coreanas e técnicas de chutes Posteriormente em Angong, Ji Han Jae fundou sua própria academia e ministrou aulas durante nove anos. Ele ensinava Yoo Kwon Sool e sua academia era chamada de Na Moo Kwan. Depois se mudou para Seul em setembro de 1957. Inicialmente ficou em uma casa de tábuas em Whang Shim Ri. O filho do dono desta casa de tábuas era Duk Kyu Hwang, e foi o seu primeiro aluno. Ele chamou esta sua nova academia de Sung Moo Kwan. Ji abriu outra pequena academia e passou a ter poucos alunos. Sua maioria era composta de alunos universitários, onde passou a ensinar uma mistura das técnicas de meditação, chutes, armas marciais aprendidas com Taoist Lee, que por sua vez foram aprendidas com Choi e seus princípios espirituais. Denominou este seu novo método marcial de Hapkido. Antes de usar o nome Hapkido, Ji Han Jae pensou em usar o nome Hapki-Yoo-Kwon-Sool, mas achou que o nome ficaria muito extenso. Ji achou interessante o nome Do, porque representa “caminho espiritual”, diferente de Sool, que somente transmite ideia de técnica. Dentro de sua visão psicobioespiritual (mente, corpo e espírito), o termo Hapkido se encontra melhor adequado ao seu objetivo marcial. Na verdade o nome Hapkido foi oficializado em 1959. Segundo o próprio Ji Han Jae após criar o nome Hapkido para sua arte marcial, permitiu que o seu mestre Yong Sool Choi, por respeito, usasse este nome. Choi ensinou sua arte marcial com o nome de Hapkido por muitos anos, até a sua morte em 1986. Mas segundo o Ji Han Jae, Choi não teve condições de ensinar o currículo completo de Hapkido, porque desconhecia as técnicas de armas, chutes e os princípios espirituais dos quais Ji tinha treinado com outros mestres. Ainda segundo Ji, o currículo final do Hapkido somente foi concluído em 1960, quando o mestre Moo Woong Kim se mudou para Seul e juntamente com Ji concluiu o currículo do Hapkido. Durante os aproximadamente oito meses Moo Woong Kim ficou sendo aluno de Ji Han Jae e deu sua contribuição para que as técnicas de chutes fossem preservadas no Hapkido. O Mestre Hee Song Kim, fundador da escola SONG DO KWAN, médico e advogado, veio para o Brasil e instalou-se, inicialmente, em São Paulo, e mais tarde, passou a residir em Curitiba definitivamente. Em 1961, houve uma grande mudança política na Coreia. Pouco tempo depois Ji Han Jae assumiu um cargo no governo coreano para ensinar hapkido para a força de segurança do presidente da Coreia. Cargo este, que ocupou até 1979, deixando-o com a morte do presidente coreano, Chung Hee Park. Em 1960 devido aos problemas políticos envolvendo Coreia e Japão, com destaque para o nacionalismo coreano, Ji Han Jae, leu um livro de aikido e observou que os caracteres japoneses de Aikido eram semelhantes ao do Hapkido. Levando-o a retirar o termo HAP da sua arte marcial e chamando-a somente de Kido. No mundo todo existem diversos estilos de hapkido. Há grupos que pregam que o criador do hapkido foi Ji Han Jae. Por outro lado existem grupos que aceitam a ideia de que esta arte marcial coreana foi criada por Yong Sool Choi. O fato é que tanto Ji Han Jae como Yong Sool Choi tem inestimáveis trabalhos dentro desta arte marcial. O Hapkido acabou sendo uma arte marcial completa. E com isso era praticada e treinada pelos Militares. Na década de 60 foi criada oficialmente a "The Korea Hapkido Federation", a primeira organização mundial de Hapkido, onde estavam como membros desta Organização grandes nomes de mestres coreanos, na direção desta organização estavam como President "Dae Hoon Choi", como Chairman "Grão Mestre Chong Kyu Pak", como Secretario Geral Mestre Park Sung Jae" (atualmente vivendo no Brasil e reorganizando o hapkido mundial), como mestre geral Ji Han Jae. Os registros desse Histórico estão documentados nos arquivos da "The Korea Hapkido Federation". Sistema de graduação adotado pelo Instituto Brasileiro de Hapkido • Branca (9º Gub) • Amarela (8º Gub) • Amarela Ponta (7º Gub) • Verde(6º Gub) • Verde Ponta(5º Gub) • Azul (4º Gub) • Azul Ponta I (3º Gub) • Vermelha(2º Gub) • Vermelha Ponta (1º Gub) • Preta (1º Dan) (Jo kyo Nim) - Instrutor • Preta (2º Dan) (Kyo sa Nim) - Professor • Preta (3º Dan) (Kyobu Nim) - Professor • Preta (4º Dan) (Sabum Nim) - Mestre • Preta (5º Dan) (Bumsan Nim) - Mestre • Preta (6º Dan) (Chongsa Nim) - Grão-Mestre • Preta (7º Dan) (Do bum Nim) - Grão-Mestre • Preta (8º Dan) (Do kam Nim) - Grão-Mestre • Preta (9º Dan) (Do sum Nim) - Grão-Mestre • Preta (10º Dan) (Do sa Nim) - Grão-Mestre